teatro x cinema

Conversando com um amigo sobre teatro, ouvi reclamações sobre a quantidade de gente que assistia às peças.  Ele falava sobre, não importa o que faziam, as pessoas simplesmente não iam ou, pelo menos, não em quantidade razoável.

Hoje vamos sair.
Ir ao teatro: R$60,00
Ir ao cinema: R$18,00

Dá pra comparar?

Ok, ok, eu e ela temos carteirinhas (ela de estudante, eu da operadora de telefone) que dão desconto mas, em condições normais:
Teatro: R$80,00
Cinema: R$36,00

Ok, ok (de novo).  Não dá pra comparar os custos de ambos.  O teatro é o cinema ao vivo dizem os fanáticos, mas … o cinema sem expectadores -pelo menos atualmente, eles esquecem de comentar, rs.

4 idas ao teatro no mês e lá se vão R$320, 4 idas ao cinema … R$144.

Antes que me xinguem.  Eu não estou comparando a arte, não é isso.  Mas estou dando uma única razão, óbvia, do porque todo mundo reclama da falta de expectadores do teatro (e a, também óbvia, falta de receita).  Das duas uma.  Ou o teatro cria promoções e descontos consistentes para atrair o povo ou, aumentam o preço do teatro e reza para que todos os que vão atualmente continuem indo no futuro … mantém-se o fluxo de pessoas mas se aumenta a receita.

Simples, não?

_tco

google. aliado ou inimigo?

Hoje fui ver qual era o nome da minha seguradora. Nunca lembro. Claro que fui no google e digitei seguradoras de veículos.
Apareceu um bruta monte de coisas, claro. Só que o mais interessante foi que, para muitas o que aparecia era algum tipo de reclamação de clientes insatisfeitos.
Por isso pergunto. O google é amigo ou não de sua empresa?
Você sabe?

_tco

catálogo online

Uma pergunta. Por que os catálogos online tem que ser exatamente iguais aos impressos… ou seja, estáticos?

Essa companhia certamente não soube responder.  Veja esse site.  Vale a pena.
http://producten.hema.nl/

_tco

criando dificuldades para vender facilidades…

Recebi um email de um dos gurus do marketing (pelo menos pra mim) Seth Godin.  Nele o cara dizia sobre a técnica Houdini -pra quem não se lembra, Houdini foi um dos mágicos mais famosos de todos.

Godin citava o caso de voar (comercialmente, avião, ponte área, sabe? rs).  É algo complicadíssimo afinal, quantas centenas de coisas precisam ser feitas, checadas e tudo o mais para que um avião possa voar.  Ainda assim as cias aéreas querem que tudo pareca simples -e seguro- voar.

Enfim, enquanto o Godin esperava por um vôo recebeu o aviso de que este iria atrasar por causa de problemas mecânicos.  Todos ficaram tristes.  Poucos minutos depois novo aviso.  O problema foi concertado e o vôo sairia no horário -acabou saindo 10 minutos antes do previsto.

Não sei se isso é novidade mas aqui no Brasil é a primeira tática que muita gente usa para conseguir vender seus produtos.  Na verdade, esta tática é usada e abusada por vendedores menos … honestos, para não dizer outra coisa.

_tco

por que eles dominam (ou vão dominar) o mundo?

Aqui está mais uma (apenas mais uma) das razões.

http://www.adnews.com.br/internet.php?id=86775

Eles simplesmente criam as ferramentas mais fantásticas de todas e depois abrem seus códigos para que os desenvolvedores possam melhorá-las, deixando ainda mais fantásticas.  Enquanto as outras empresas brigam para protegê-las, perdem (ou ganham?) milhões com a pirataria, o google não tá nem aí … porque todas as suas ferramentas são de graça -ou online, que não dá, ainda, para piratear.

E enquanto todo mundo se pergunta como eles ganham dinheiro com isso, eles continuam enchendo seus bolsos até não poder mais (e, diga-se de passagem, tratando seus funcionários muito bem).

 

_tco

quando já é tarde demais

A maioria das empresas só se preocupa com seus clientes quando já é tarde demais.  Quando o cliente já está muito insatisfeito e quando já não há mais possibilidade de volta (ou quando, para voltar, os custos são muito altos).

Eu fico me perguntando.  Por que diabos elas são assim?  Será que é mais fácil/barato, se preocupar com 15, 20% dos clientes que ficam realmente insatisfeitos com os péssimos serviços das empresas do que manter um bom serviço, ou, pelo menos, manter um trabalho constante de manutenção com toda a base?  Se as pesquisas estão certas e 1 cliente insatisfeito impacta 6, 15% da base insatisfeita irá impactar…. toda a base?  É algo a se considerar.

Mas a maioria ainda prefere tentar sobreviver fazendo o que é mais seguro (ou pelo menos o que eles acham que é mais seguro), porém, o que eles se esquecem, é que o mais seguro os deixam menos visíveis, menos visíveis significa menos oportunidades e esse é o caminho mais rápido para o … fim.  

_tco

loja do zé X mega-super-hiper-blaster lojas do sr josé augusto

Ok, ok, a discussão é velha, eu sei.  Mas isso aconteceu comigo hoje de novo então pra mim é atual novamente.

De um lado nós temos as lojas de bairro, pequenas, sem grandes variedades e que, geralmente custam mais caro (porque não tem grande poder de barganha junto aos distribuidores) mas que, por outro lado tem um relacionamento -ou deveriam ter- melhor com seus clientes, os conhecem e, com os que confiam, tem uma relação de confiança muito grande.

Do outro, as mega corporações que tem de tudo e mais um pouco, preços mais baixos pois espremem os distribuidores até o talo e… não te conhecem.  Até sabem o que você fez no verão passado mas… é só.  Até você informar seu cpf você não é ninguém para eles.

Qual é o melhor formato?  Você ir comprar pão na padaria, descobrir que esqueceu a carteira justo quando está na fila do caixa e a dona Arlinda olhar pra você e dizer:  não é culpa sua não.  Seu pai é igualzinho, esquece tudo, aproveita e põe na conta dele, ele não pagou a última vez porque tinha esquecido a senha do cartão.   Ou você pode descobrir que esqueceu a carteira na fila do Pão de Açucar, ficar puto porque vai ter que deixar o pão na cesta, voltar pra casa e pegar todas as filas de novo.

É claro que aqui a escolha é fácil.  Quando você fala de ir fazer a compra do mês, ou ir comprar produtos pro escritório, materiais de construção pesada, a questão fica mais complicada mas ainda assim … talvez fosse o caso de lutarmos pela volta do seu zé.

mercearia

_tco

da série empresas que enganam: promoções casadas

Ano passado recebi um telefonema. Era de uma tv por assinatura que, segundo eles, chegaram até mim por indicação da empresa de telefonia celular que eu sou cliente.

Ok, ok. Venda de mailing. Um absurdo mas … já estamos nos acostumando.

Como o sr é um cliente super hiper fucking special da operadora X, você poderá usufruir de uma promoção especial. Além do sistema mais avançado, terá o campeonato brasileiro de graça, mais desconto de R$50,00 em sua fatura do celular, etc, etc, etc.

Nossa. Mas eu terei todas essas vantagens? Como vocês são legais (tudo bem que o campeonato brasileiro estava terminando mas…).

06 meses depois, não tive 1/2 dessas vantagens. Resultado, cancelei meu contrato sem pagar nenhuma multa e depois, ainda por cima, tive estorno de quase 40% do valor pago esse período todo.

Eu sou uma exceção, ok. A maioria se conforma em ter sido enganada e deixa barato. Mas até quando vamos permitir que isso aconteca? Quem empresas como essas nos prejudiquem deliberadamente de todas as formas possíveis?

Até quando seremos…

trouxa

trouxa

trouxas?

 

_tco

ser de casa?

Cada vez mais escuto gente falando que quer ser de casa.  De casa naquele restaurante que você sempre frequenta, de casa naquela balada ou em qualquer outro lugar que queira ser bem quisto.

Eu era um desses.  Até hoje. Mais precisamente até o almoço de hoje.  Estava eu compartilhando de alguns problemas pessoais com meu bom e velho amigo Du quando escuto, com seu habitual tom, sutil e delicado.

“É claro que isso acontece.  Você é burro.  Aliás, burro não, você é uma anta.  Você não pode ser de casa na sua agência.”

E não é que é verdade.  Quanto mais de casa, mais se complica.

de casa

Continuou ele: “Você já viu alguém que é de casa ser bem tratado em momento de aperto?  Você que tá sempre lá é aquele cara que senta na mesa perto do banheiro porque a casa ta lotada, ou, quando um amigo vai lançar qualquer coisa e te chama (aliás, implora que você vá lá prestigiá-lo), você é o que menos recebe atenção afinal, você é de casa, vai entender.”

A solução é ser milionário, não tem jeito.  Esses sim são sempre bem tratados em todos os lugares.

the same cigarrete as me

Esse texto foi retirado do blog de um cara chamado Seth Godin.  Ele é hoje, na minha opinião, uma das maiores mentes no que diz respeito ao marketing, planejamento, estratégia, etc etc etc.

Ele tem uma capacidade que eu penso muito interessante de dizer coisas que são importantíssimas de forma óbvia, de tal maneira que te deixa até meio puto de não ter pensado nisso antes, ou de tentar contrariar.  Aqueles raciocínios que, quando ditos em algum tipo de discussão fazem o outro concordar na hora, com medo de parecer ridículo em discordar.

“He can’t be a man because he doesn’t smoke [syncopated pause] the same cigarette as me.”

crianca-fumando
When your product becomes the badge for a tribe, you sell a lot of products. The Stones don’t mean “a man” in the sense of a homo sapien. They mean “a man” in sense of “someone worthy of my respect.” Not in my tribe, not worth it…

Brooks Brothers was the badge for a generation of grey-suited men. Che t-shirts are the badge for a cadre of activists. The Allen & Co. retreat is the badge for a tiny cabal of media titans.

It’s not easy to become the badge, but it’s a worthy destination.

Key truth: you can’t be the badge for everyone. In order for the tribe to exist, it must have insiders. And you can’t have insiders without outsiders.