enquanto o gato não se pronuncia, o rato come de colher

É engraçado como algumas empresas tem a capacidade de criar produtos excepcionais e não explorá-los de forma correta.

Estou falando do Pinterest, a rede social dos “pins”.  Muitas empresas descobriram que podem ganhar dinheiro lá, é óbvio.  Qualquer empresa pode usar a rede como um catálogo virtual, um tenis que a Nike poste pode muito bem ser comprado por qualquer usuário da rede.

Não tão óbvio assim é o caminho que percorre o usuário para essa compra.  Ele vê direto na página da Nike? Ele vê a página de um amigo que postou o tenis e se interessou?  Caso sim, será que, ao clicar no pin do amigo ele irá para o site da Nike? Quais são os hubs (aqueles caras que todo mundo acessa para ver o que estão fazendo, postando, curtindo) mais eficientes para cada segmento?  Qual a melhor forma de operacionalizar todo o negócio dentro do Pinterest?

Oras, ferramentas de mapeamento digital (como as que temos no Facebook, por exemplo) ajudariam e muito mas… o Pinterest teria que oferecê-las.  E é aí que o gato não se pronuncia.  Sorte dos marketeiros que algumas outras empresas estão fazendo isso, azar do Pinterest que está deixando de ganhar dinheiro com sua própria idéia.

Anúncios