até tu paulistão?

Existem no mundo vários campeonatos que levam o nome de seus patrocinadores.  Santander Libertadores, Copa Kia do Brasil.  A mania pegou agora também nos campeonatos regionais.  Além do gaúcho e o mineiro, o paulistão entra na jogada também.

O principal desafio, porém, é que as emissoras não falam o nome completo (paulistão chevrolet), anunciam apenas paulistão, para driblar isso a empresa fará ativações dentro de campo e com a federação paulista de futebol, comunicando o nome nas placas centrais do campo.

 

Anúncios

jabulani: o grande case de ativação

do mmonline

A polêmica em torno da bola Jabulani, criticada publicamente por alguns dos melhores jogadores do mundo, dominou as redes sociais durante a Copa do Mundo de 2010 na África do Sul. Em cada uma das 64 partidas do último mundial, uma câmera focava a bola em cima de um pedestal e destacava o gesto do juiz da partida em colocá-la debaixo de um braço e levá-la ao centro do campo. Amada ou odiada, o fato é que se nunca se viu e se falou tanto de uma bola na história dos esportes. Os números de vendas comprovam. Desde seu lançamento em dezembro de 2009, durante o sorteio das chaves da Copa na Cidade do Cabo, a Adidas vendeu 50 milhões de unidades da Jabulani. A cifra é a mesma de sua antecessora, a Team Geist, bola oficial da Copa do Mundo de 2006. Apesar do empate nos números, o vice-presidente responsável pelo futebol da Adidas, Claus-Peter Mayer, aponta que os números foram obtidos com a Copa sendo realizada num mercado menos desenvolvido que o da Alemanha. “É a mais bem sucedida de todas desde que começamos a fornecer as bolas da Copa do Mundo há 40 anos”, disse o executivo alemão, nesta segunda-feira, dia 28, durante o painel “O Futebol e as marcas mundiais”, no Soccerex, maior feira de negócios do futebol do mundo que acontece no Rio de Janeiro.

Thierry Weil, diretor de marketing da FIFA que fez carreira de 20 anos dentro da Adidas, endossou o case da Jabulani como um dos mais bem sucedidos em termos de ativação. “As nossas propriedades são caríssimas por conta do alcance global que a Copa do Mundo tem. Mas não adianta nada investir esse dinheiro se não houver uma ativação à altura”, disse o executivo da FIFA. Segundo ele, há hoje 20 empresas que patrocinam a entidade em três níveis: os patrocinadores globais (FIFA Partners), os intermediários (FIFA Sponsors) e os locais (Local Sponsors). Juntas, essas empresas garantem um faturamento de US$ 3,4 bilhões por Copa.

 

Fernando Chacon, diretor de marketing do Itaú, conta que o banco tem 20 anos de história de patrocínios no Brasil. A marca, ao lado da Coca-Cola, é a única que faz parte do pacote futebol da TV Globo desde que a emissora adotou o formato de patrocínios para suas transmissões de futebol em 1991. O executivo conta que o crescimento desse envolvimento aconteceu por conta de pesquisas identificarem que havia um desejo de seu público nesse sentido. A grande oportunidade, conta Chacon, surgiu no apoio à candidatura brasileira para sediar a Copa de 2014. A Fifa chancelou a vitória brasileira em outubro de 2007 e concedeu ao Itaú o direito de ser a primeira marca integrante do time de patrocinadores locais. Dois anos depois, o banco estendeu seu apoio à Seleção Brasileira. Nesse movimento, o Itaú evitou a situação de conflito criada entre os bancos sul-africanos First National Bank, patrocinador da Copa; e do ABSA, patrocinador da seleção local. “Conseguimos amarrar as duas pontas e concentrar a marca Itaú como único banco da Copa no Brasil”, conta Chacon, que esteve na África do Sul durante o evento para acompanhar as ações de ativação de todas as marcas envolvidas no evento. Hoje, a Octogon é a agência de marketing esportivo responsável por todo o planejamento visando a Copa de 2014.

Outra marca novata em Copas é a Hublot. O CEO Jean-Claude Biver contou que a Copa do Mundo é para a grife de relógios de luxo uma oportunidade de se conectar com o público mais jovem e expandir as vendas globais. Em mercados como o do Brasil, o maior desafio é a tributação sobre a maioria dos produtos importados. Mesmo assim, o público brasileiro já deu mostras de seu potencial de consumo.: “Uma de nossas lojas em Miami registra 62% de seus clientes como brasileiros”, contou Biver.

humm .. por que será?

Kassab apoia Globo e veta futebol antes da novela

O projeto de lei nº 564/06 que limitaria o horário de realização dos jogos de competições esportivas até às 23h15 na cidade de São Paulo foi vetado pelo prefeito Gilberto Kassab. A decisão foi oficializada na última sexta-feira no Diário Oficial. O veto do prefeito favorece a vontade da TV Globo, que chegou a ir à Câmara Municipal para pressionar os vereadores a não aprovarem o projeto. Se a lei fosse aprovada, a emissora, detentora dos direitos das transmissões de futebol, teria que mexer na grade e antecipar os jogos, iniciados geralmente às 21h50, em São Paulo. A Procuradoria Geral do Município alegou que o veto se motiva pelo fato de a “matéria relativa ao desporto ser de competência legislativa da União, Estados e Distrito Federal, cabendo ao Município apenas suplementar essas normas na hipótese de configuração de interesse local específico que necessita ser regulamentada, o que não ocorre nesse caso”. Além disso, a Procuradoria Geral justifica que “os inconvenientes advindos do horário do término de eventos esportivos não diferem daqueles verificados em outros tipos de eventos, não se justificando a restrição de horário a uma única programação” para concluir que “não parece razoável” a restrição de horário nos eventos esportivos. O prefeito coloca outro aspecto como motivo para o veto: a cidade de São Paulo poderia perder a chance de sediar eventos de porte nacional ou até internacional que terminem depois desse horário. À época da pressão da Globo sobre os vereadores da Câmara, o diretor executivo da Globo Esportes, Marcelo de Campos Pinto, argumentou que “a plasticidade dos estádios cheios nos interessam porque representa o estádio infinito, dá credibilidade à TV”. Pois os jogos realizados às 21h45 durante a semana registram em média público de 23.787 pagantes, enquanto a dos jogos às 21horas, 17.911 pessoas. O presidente da FPF, Marco Polo del Nero, que havia ameaçado levar os jogos da capital para o interior, declarou que os clubes paulistas podem ser impedidos pela Conmebol de participar da Taça Libertadores a partir de 2011, caso desrespeitem as regras de transmissão de TV. Confira abaixo o texto do veto na íntegra: “RAZÕES DE VETO Projeto de Lei nº 564/06 Ofício ATL nº 52, de 1º de abril de 2010 Ref. Ofício SGP 23 n° 00669/2010 Senhor Presidente, Por meio do ofício em referência, Vossa Excelência encaminhou a esta Chefia do Executivo cópia autêntica do Projeto de Lei nº 564/06, de autoria dos Vereadores Agnaldo Timóteo e Goulart, aprovado por essa Egrégia Câmara na sessão de 10 de março do corrente ano, que dispõe sobre o limite de horário para o término de competições esportivas profissionais realizadas nos estádios localizados no Município de São Paulo. A mensagem estabelece o horário limite de 23h15min (vinte e três horas e quinze minutos) para o encerramento desses eventos quando realizados nos estádios com capacidade de lotação superior a quinze mil pessoas. Prevê, ainda, o procedimento de fiscalização do cumprimento dessa exigência, determinando, no caso de infração, a elaboração de um relatório por agente da Subprefeitura competente, instruído com a documentação que especifica, a ser submetido à apreciação de uma Comissão Especial de Avaliação (CEA), composta por um membro da federação da respectiva modalidade esportiva, um membro da sociedade civil, um membro do sindicato da categoria dos atletas, além de um servidor público lotado em SEME, podendo a referida comissão arquivar o expediente ou então determinar a apuração dos fatos, ouvindo o responsável pela organização do evento, bem como aplicar, se for o caso, multa de R$ 100.000,00 (cem mil reais), dobrada na reincidência. Sem embargo dos meritórios propósitos que certamente devem ter inspirado seus autores, a medida não reúne condições de ser convertida em lei, impondo-se seu veto total, com fulcro no § 1º do artigo 42 da Lei Orgânica do Município de São Paulo, nos termos das razões a seguir aduzidas. A propositura trata de matéria relacionada ao desporto, sobre a qual a Constituição Federal no artigo 24, inciso IX, reserva competência legislativa concorrente à União, aos Estados-membros e ao Distrito Federal, cabendo aos Municípios, nesse tema, apenas suplementar as eventuais legislações existentes. No uso dessa competência, a União editou a Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998 (Lei Pelé), que institui as normas gerais sobre desporto. Em seu artigo 4º, § 2º, com a redação conferida pela Lei nº 10.672, de 15 de maio de 2003, deixa patente que “a organização desportiva do País, fundada na liberdade de associação, integra o patrimônio cultural brasileiro e é considerada de elevado interesse social”, cabendo ao Ministério Público da União pronta atuação na hipótese de violação dessas normas. Além disso, no citado artigo 4º, ao criar o Sistema Brasileiro do Desporto – SBD, a lei federal o estrutura em diversos órgãos, dentre os quais o Conselho Nacional do Esporte, com competências estabelecidas no artigo 11, sendo órgão colegiado de normatização, Deliberação e assessoramento, diretamente vinculado ao Ministro de Estado do Esporte. Também integram o SBD os sistemas de desporto dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, organizados de forma autônoma e em regime de colaboração, integrados por vínculos de natureza técnica específicos de cada modalidade desportiva. No que se refere à regulamentação do horário de realização de competições profissionais – objeto do projeto em questão – a norma geral inserta no § 7º do artigo 20, incluído na referida Lei Pelé pela Lei nº 10.672, de 2003, estabelece que “as entidades nacionais de administração de desporto serão responsáveis pela organização dos calendários anuais de eventos oficiais das respectivas modalidades”, em consonância, pois, com a diretriz constitucional sobre o caráter nacional estratégico de certos elementos relacionados à prática esportiva (CF, art. 217). Ressalta patente a predominância nacional e regional na composição, formação e operatividade do Sistema Brasileiro de Desporto. Aos Municípios, que compõem a estrutura desse sistema, a Constituição Federal atribui uma atuação suplementar, que há de ser harmoniosa e colaborativa, nos termos do artigo 25, parágrafo único, da Lei Pelé. A competência do Município para suplementar a legislação federal ou estadual se evidencia diante de circunstâncias peculiares que caracterizem a predominância do interesse local. Nesse contexto, compete ao Município de São Paulo a fixação dos horários e condições de funcionamento dos estabelecimentos comerciais, industriais, de serviços e similares situados no território municipal, bem como a fiscalização das atividades neles desenvolvidas, nos termos do artigo 160, incisos II e III, da Lei Maior local. No tocante aos espetáculos esportivos realizados nos estádios, caberia ao Município impor a restrição do horário, desde que caracterizada situação peculiar local que exigisse tal regulamentação, o que não ocorre no caso em pauta. De fato, ainda que se pudesse desenvolver o raciocínio voltado ao entendimento de que o Município detém interesse local específico e, portanto, competência, para fixar o horário de realização de competições esportivas que envolvam a mobilização de grande número de pessoas e possam interferir na comodidade e segurança dos cidadãos, os inconvenientes advindos do horário de término de eventos esportivos em nada diferem daqueles verificados em outros tipos de eventos, tais como atividades religiosas e shows artísticos, não se justificando conferir-lhes tratamento diferenciado. Portanto, a limitação do horário a um único tipo de evento não parece razoável. Tampouco configura medida capaz de “contribuir para a preservação do descanso do trabalhador paulistano, a proteção do patrimônio público e privado, a paz nas ruas e, especialmente, a segurança aos desportistas e dos espectadores”, como consta da justificativa apresentada por seus proponentes. Isto porque os possíveis transtornos decorrentes do fluxo e da grande concentração de pessoas, inerentes a esses eventos, podem ocorrer em qualquer horário que se dê o seu encerramento. Por outro lado, considerando que os efeitos da norma proposta não se restringem às competições locais, alcançado campeonatos nacionais, regionais e internacionais, não é difícil concluir que, não querendo se submeter à imposição legal paulistana, os organizadores poderão levar esses eventos para outras cidades, produzindo efeitos indesejáveis à Cidade, inclusive sob o aspecto econômico. Cumpre assinalar, ainda, que a mensagem aprovada cria uma Comissão Especial de Avaliação – CEA, composta por membros de entidades privadas (federação da modalidade esportiva e sindicato da categoria dos atletas), membro da sociedade civil e membro do serviço público municipal, atribuindo-lhe competência para instaurar, instruir e julgar o procedimento de fiscalização do cumprimento da exigência legal instituída, bem como imbuída de poderes para arquivar o expediente ou aplicar a multa estabelecida. Atribui-lhe, portanto, o poder de polícia que é inerente ao Poder Público. A propósito, releva anotar que o poder de polícia encontra fundamento na supremacia geral que a Administração Pública exerce sobre todas as pessoas, bens e atividades, revelada nos mandamentos constitucionais e nas normas de ordem pública, que estabelecem condições e impõem restrições aos direitos individuais em favor da coletividade, incumbindo ao Poder Público o seu policiamento administrativo e, por conseguinte, a imposição coativa das medidas impostas pela lei e a aplicação da sanção correspondente ao seu descumprimento. Logo, a transferência desse poder a particular, nos moldes pretendidos pela propositura, é medida que se mostra contrária à ordem constitucional vigente. Ademais, a ação fiscalizatória exercida pelo Poder Público não pode ficar condicionada ao fornecimento de “súmula ou registro da partida”, como previsto no texto, nem à indicação de representantes das entidades sindicais e esportivas, de natureza privada, as quais, em razão da autonomia que lhes é assegurada pela Constituição Federal (artigo 8º, inciso I, e artigo 217), não estariam obrigadas a integrar referida Comissão. Não se pode olvidar também, que, na condição de particulares interessadas, podem atuar de modo a frustrar o cumprimento da lei. Por fim, a atribuição do encargo de “agente autuador” a servidor público lotado na Subprefeitura (§ 1º do artigo 1º), configura ingerência nas atividades e atribuições de órgãos municipais, com evidente interferência em assunto de competência privativa das autoridades municipais dessa área, violando, assim, o princípio da independência e harmonia dos poderes, consagrado no artigo 2º da Constituição Federal, no artigo 5º da Constituição do Estado de São Paulo, bem como no artigo 6º da Lei Orgânica do Município de São Paulo. Nessas condições, evidenciadas as razões de inconstitucionalidade, ilegalidade e contrariedade ao interesse público que me conduzem a vetar integralmente a mensagem aprovada, devolvo o assunto ao reexame dessa Egrégia Câmara, renovando a Vossa Excelência meus protestos de apreço e consideração. GILBERTO KASSAB, Prefeito Ao Excelentíssimo Senhor ANTONIO CARLOS RODRIGUES Digníssimo Presidente da Câmara Municipal de São Paulo” Com informações do Uol Esportes.

tá explicado porque meu filho ganha de mim nos games

A ciência finalmente explicou porque uma criança de 05 anos ganha do pai em uma partida de futebol no video-game.

Cientistas afirmam ser possível predizer o desempenho de alguém em um game pelo tamanho de certas estruturas cerebrais. Quanto maiores as regiões ligadas ao aprendizado e memória, melhores os resultados. As conclusões de Kirk Erickson, do departamento de psicologia da Universidade de Pittsburgh (EUA), e colegas foram apresentadas no site do periódico “Cerebral Cortex”, uma das publicações da Universidade de Oxford.

Foram recrutados 42 participantes entre 18 e 28 anos. Três desistiram e três resultados foram descartados por erros na ressonância magnética. Concluíram o estudo 36 pessoas, das quais 10 eram do sexo masculino. A tarefa do grupo era jogar um game chamado Space Fortress.

“É realmente a primeira vez que fomos capazes de mostrar que o volume dessas regiões é indicativo de quão rapidamente você pode aprender uma tarefa”, afirmou Erickson ao site LiveScience. A pesquisa focou no estriado, localizado no interior do córtex cerebral. O estriado está envolvido nos processos de aprendizado e memorização, particularmente de tarefas que requerem habilidades motoras.

Ainda que você não tenha tanto interesse assim por games, e/ou nenhuma habilidade para passar da fase 1, os pesquisadores afirmam que há uma possibilidade de que treinamento faça o volume dessas áreas cerebrais crescer – portanto quem não joga nada não precisa desistir.

quando o futebol sai de campo

Da redação da AdNews, tirei essa matéria.  Ela mostra como o futebol é travado dentro e fora de campo.

A reta final do Campeonato Brasileiro 2009 reserva surpresa fora dos campos para o ano que vem. De acordo com a coluna Radar On-line, da revista Veja, a Globo pode mudar o nome do Brasileirão para “Campeonato Brasileiro da Petrobras”. A estatal negocia um patrocínio com a emissora para conseguir a mudança.

Caso o negócio seja fechado, a Petrobras vai desembolsar R$ 15 milhões, embora ainda seja complicado acreditar que o público se acosume a chamar o tradicional Brasileirão de outra forma.

Mudanças
A Globo já tentou alterar as regras deste mesmo campeonato, o maior do Brasil. Em outubro, a emissora travou disputa com a CBF – Confederação Brasileira de Futebol – para modificar a fórmula de disputa do torneio, que desde 2003 é por pontos corridos, para mata-mata. A disputa gerou polêmica de interesses.

Alegando queda em sua audiência, a Globo queria convencer o Clube dos 13 a apoiar o retorno do mata-mata. A emissora teria oferecido valores de cotas mais altas aos clubes e em troca quer que eles convençam a CBF a mudar o regulamento do campeonato. Ricardo Teixeira, presidente da entidade, não aprova a volta da disputa em mata-mata.

crise?

Para alguns até pode ser.

Mas … quando o assunto é futebol, todo mundo tem dinheiro para investir.

US$2.6bi foi o que a FIFA arrecadou apenas com direitos de transmissão.  O portal Terra anunciou agora que vendeu 6 cotas de patrocínio.  R$180milhões no total.  Considerando que eles devem ter dado um desconto de 40% -chute- temos R$102M no bolso do Terra.

Nada mal, hein?

_tco

UPDATE: nada como falar com quem entende.  Todas as cotas foram chegadas por R$30M.  Ou seja, um desconto médio de 80%.

Mas pelo menos não queimei a língua.  30% foi o que cresceu a FIFA em relação a última copa.  Pelo menos deu pra acompanhar o crescimento natural do mercado,.

os camarotes do botafogo

Já faz algumas semanas que eu vi pela primeira vez e confesso, ainda estou impressionado.  Impressionado não, absurdamente impressionado.

Com 16 amigos (você e mais 15), é possível por R$160,00 mensais cada, ter acesso a todos os jogos do Botafogo no Engenhão, em todos os campeonatos que ele participar em um camarote.

Além do camarote você terá todo serviço de alimentação e bebida e pay per view no camarote.

ÔÔ meu São Paulo, lança alguma coisa assim, pelo amor de Deus.

_tco