e que sacada

Anúncio da Almap. Papai Noel existe?  e o sr. Bauducco?

de novo com campanhas decentes

De fato o Itaú voltou a ter uma campanha excelente.  Vale a pena.

dica do consumidor

Mais um exemplo de como é importante prestar atenção no consumidor, mesmo _aliás, principalmente_ nas brincadeiras.

a falta de cuidado mata

Uma dica gratuita para todas as empresas que se relacionam com o mercado _b2b ou b2c_ ou seja, todas.

Nessa época de final/começo de ano, férias, clima mais relax, jamais deixem de cuidar de alguns fatores muito importantes que podem passar por meros detalhes pela maioria.

Fui ligar para um parceiro hoje (15hoo) e recebi o recado da secretária eletrônica: nosso horário de atendimento é das 8h as 18h de 2a a 6a, favor entrar em contato em horário comercial.  Poxa, não vi que estava ligando as 22h00.

Enviei email para outra empresa (essa, gigantesca) e recebi a resposta automática:

Informamos que a XXXXX estará em férias coletivas de 17/12/2011 a 01/01/2012. Assim, todos os e-mails serão respondidos após esta data.

Desejamos a todos Boas Festas!

Se você não quer passar por besta, descuidado, por favor, repare nos “detalhes”.

 

<Tomás>

google alega não ter autorizado pagamento a blogueiros para promover o chrome

Nos últimos dias circulam na rede denúncias de que blogueiros teriam sido pagos para falar bem sobre o navegador Chrome, do Google. Segundo Danny Sullivan, do Search Engine Land, até o dia 2 de janeiro já eram mais de 400 posts promovendo o navegador e acompanhados da declaraçao “patrocinado pelo Google” (!) A empresa se defendeu dizendo que essa foi uma açao nao autorizada, realizada por suas agências de propaganda, que “prontamente assumiram o erro” ; e pediram desculpas. O Google se comprometeu a diminuir o ranking do site google.com/chrome por 60 dias, como forma de compensar a ‘engorda’ de ranking comprada com blogueiros. Ainda assim… Com informaçoes do Gawker e SearchEngine Land. 04/01 Jacqueline Lafloufa

“internet é o segundo meio na fatia do bolo publicitário brasileiro” por ricardo cavallini

retirado do blog coxacreme, de Ricardo Cavallini

É uma informação extremamente relevante para o mercado brasileiro, acho até que merecia destaque no título.

Saiu pesquisa do Grupo Consultores com 100 profissionais dos maiores anunciantes mostrando que a fatia digital nas verbas de comunicação bateu 13,4%.

Não é correto misturar pesquisas e metodologias diferentes, principalmente porque a do Grupo Consultores parece ter focado apenas no digital. Então não é possível comparar com precisão o investimento de um meio com outro, mas tanto grupo quanto pesquisa são sérios e o valor merece atenção.

Aproveito e faço nova provocação, similar a que fiz em 2009: este ano o investimento em digital já ultrapassou o investimento em jornais.

De qualquer forma, mais importante do que discutir vírgulas, centavos ou posição no ranking é perceber duas coisas.

Primeiro o que eu já critico há anos, que o investimento não pode mais ser medido pela veiculação (ainda mais usando poucos veículos como parâmetro)

Segundo que a verba continua migrando rapidamente para o digital. De acordo com o Grupo Consultores, quase dobrou nos últimos 2 anos.

Agora que internet já passou a ser o segundo meio, vale apontar que a importância não deve mais ser medida pela porcentagem da verba, e sim por diversos outros fatores. Quem quiser entender os porquês na minha opinião, pode assistir meu recado para os alunos de propaganda e marketing.

jabulani: o grande case de ativação

do mmonline

A polêmica em torno da bola Jabulani, criticada publicamente por alguns dos melhores jogadores do mundo, dominou as redes sociais durante a Copa do Mundo de 2010 na África do Sul. Em cada uma das 64 partidas do último mundial, uma câmera focava a bola em cima de um pedestal e destacava o gesto do juiz da partida em colocá-la debaixo de um braço e levá-la ao centro do campo. Amada ou odiada, o fato é que se nunca se viu e se falou tanto de uma bola na história dos esportes. Os números de vendas comprovam. Desde seu lançamento em dezembro de 2009, durante o sorteio das chaves da Copa na Cidade do Cabo, a Adidas vendeu 50 milhões de unidades da Jabulani. A cifra é a mesma de sua antecessora, a Team Geist, bola oficial da Copa do Mundo de 2006. Apesar do empate nos números, o vice-presidente responsável pelo futebol da Adidas, Claus-Peter Mayer, aponta que os números foram obtidos com a Copa sendo realizada num mercado menos desenvolvido que o da Alemanha. “É a mais bem sucedida de todas desde que começamos a fornecer as bolas da Copa do Mundo há 40 anos”, disse o executivo alemão, nesta segunda-feira, dia 28, durante o painel “O Futebol e as marcas mundiais”, no Soccerex, maior feira de negócios do futebol do mundo que acontece no Rio de Janeiro.

Thierry Weil, diretor de marketing da FIFA que fez carreira de 20 anos dentro da Adidas, endossou o case da Jabulani como um dos mais bem sucedidos em termos de ativação. “As nossas propriedades são caríssimas por conta do alcance global que a Copa do Mundo tem. Mas não adianta nada investir esse dinheiro se não houver uma ativação à altura”, disse o executivo da FIFA. Segundo ele, há hoje 20 empresas que patrocinam a entidade em três níveis: os patrocinadores globais (FIFA Partners), os intermediários (FIFA Sponsors) e os locais (Local Sponsors). Juntas, essas empresas garantem um faturamento de US$ 3,4 bilhões por Copa.

 

Fernando Chacon, diretor de marketing do Itaú, conta que o banco tem 20 anos de história de patrocínios no Brasil. A marca, ao lado da Coca-Cola, é a única que faz parte do pacote futebol da TV Globo desde que a emissora adotou o formato de patrocínios para suas transmissões de futebol em 1991. O executivo conta que o crescimento desse envolvimento aconteceu por conta de pesquisas identificarem que havia um desejo de seu público nesse sentido. A grande oportunidade, conta Chacon, surgiu no apoio à candidatura brasileira para sediar a Copa de 2014. A Fifa chancelou a vitória brasileira em outubro de 2007 e concedeu ao Itaú o direito de ser a primeira marca integrante do time de patrocinadores locais. Dois anos depois, o banco estendeu seu apoio à Seleção Brasileira. Nesse movimento, o Itaú evitou a situação de conflito criada entre os bancos sul-africanos First National Bank, patrocinador da Copa; e do ABSA, patrocinador da seleção local. “Conseguimos amarrar as duas pontas e concentrar a marca Itaú como único banco da Copa no Brasil”, conta Chacon, que esteve na África do Sul durante o evento para acompanhar as ações de ativação de todas as marcas envolvidas no evento. Hoje, a Octogon é a agência de marketing esportivo responsável por todo o planejamento visando a Copa de 2014.

Outra marca novata em Copas é a Hublot. O CEO Jean-Claude Biver contou que a Copa do Mundo é para a grife de relógios de luxo uma oportunidade de se conectar com o público mais jovem e expandir as vendas globais. Em mercados como o do Brasil, o maior desafio é a tributação sobre a maioria dos produtos importados. Mesmo assim, o público brasileiro já deu mostras de seu potencial de consumo.: “Uma de nossas lojas em Miami registra 62% de seus clientes como brasileiros”, contou Biver.

é como dizem… ajoelhou, agora tem que rezar

Eric Cador, head da HP na Europa, jurou de pé junto. Em dois meses bateremos as vendas do iPad com nosso “revolucionário” TouchPad. Repare como, de fato, ele é revolucionário. Design e funcionalidades muito, originais.

Agora, dois meses depois (um pouco mais na verdade), ele teve que … descontinuar a venda do produto.

/tomás

how to design a business

apresentação de colin raney, também da IDEO.  não é que os caras são bons mesmo?

 

o novo carrinho de compras

O pessoal da IDEO (para quem não conhece, é uma empresa que trabalha com inovação, os clientes de todo o mundo vão até eles para que um novo produto, uma nova idéia seja desenvolvida http://www.ideo.com).

Aqui está o processo que eles utilizaram para desenvolver um novo carrinho de compras (daqueles de supermercado).  É em inglês mas vale a pena assistir.