primeiro vídeo 100% interativo da net brasileira

do AdNews

magine assistir a um vídeo em que todos os produtos no cenário têm links. Essa é a novidade trazida pelo programa do Adnews na TV , que foi ao ar no último domingo, na TV, com vídeo totalmente interativo.

Em entrevista com Ricardo Godoy, dono da empresa ITBN, o internauta confere a total convergência de conteúdo, propaganda e redes sociais em que várias marcas se inserem meio à entrevista.

Não importa se visto na web, TV ou iPad. A tecnologia integra todas as plataformas.“Se não existe, a gente cria”, explica Godoy sobre o posicionamento da empresa. Para isso se tornar realidade, é feito um monitoramento e criações em diversas plataformas. O executivo explica que cerca de cinco empresas no mundo oferecem esse tipo de serviço.

A ITBN é uma empresa de Ricardo Godoy e Luiz Carlos Burti e a produção foi feita em parceria com aDainet Full Digital.

Confira

Anúncios

você está demitido!

por Stephen Kanitz

Você é diretor de uma indústria de geladeiras. O mercado vai de vento em popa e a diretoria decidiu duplicar o tamanho da fábrica. No meio da construção, os economistas americanos prevêem uma recessão, com grande alarde na imprensa. A diretoria da empresa, já com um fluxo de caixa apertado, decide, pelo sim, pelo não, economizar 20 milhões de dólares. Sua missão é determinar onde e como realizar esse corte nas despesas.

Esse é o resumo de um dos muitos estudos de caso que tive para resolver no mestrado de administração, que me marcou e merece ser relatado. O professor chamou um colega ao lado para começar a discussão. O primeiro tem sempre a obrigação de trazer à tona as questões mais relevantes, apontar as variáveis críticas, separar o joio do trigo e apresentar um início de solução.

“Antes de mais nada, eu mandaria embora 620 funcionários não essenciais, economizando 12 200 000 dólares. Postergaria, por seis meses os gastos com propaganda, porque nossa marca é muito forte. Cancelaria nossos programas de treinamento por um ano, já que estaremos em compasso de espera. Finalmente, cortaria 95% de nossos projetos sociais, afinal nossa sobrevivência vem em primeiro lugar”. É exatamente isso que as empresas brasileiras estão fazendo neste momento, muitas até premiadas por sua “responsabilidade social”.

Terminada a exposição, o professor se dirigiu ao meu colega e disse: -Levante-se e saia da sala. -Desculpe, professor, eu não entendi – disse John, meio aflito. -Eu disse para sair desta sala e nunca mais voltar. Eu disse: PARA FORA! Nunca mais ponha os pés aqui em Harvard.

Ficamos todos boquiabertos e com os cabelos em pé. Nem um suspiro. Meu colega começou a soluçar e, cabisbaixo, se preparou para deixar a sala. O silêncio era sepulcral. Quando estava prestes a sair, o professor fez seu último comentário: -Agora vocês sabem o que é ser despedido. Ser despedido sem mostrar nenhuma deficiência ou incompetência, mas simplesmente porque um bando de prima-donas em Washington meteu medo em todo mundo. Nunca mais na vida despeçam funcionários como primeira opção. Despedir gente é sempre a última alternativa.

Aquela aula foi uma lição e tanto. É fácil despedir 620 funcionários como se fossem simples linhas de uma planilha eletrônica, sem ter de olhar cara a cara para as pessoas demitidas. É fácil sair nos jornais prevendo o fim da economia ou aumentar as taxas de juros para 25% quando não é você quem tem de despedir milhares de funcionários nem pagar pelas conseqüências. Economistas, pelo jeito, nunca chegam a estudar casos como esse nos cursos de política monetária. Se você decidiu reduzir seus gastos familiares “só para se garantir”, também estará despedindo pessoas e gerando uma recessão. Se todas as empresas e famílias cortarem seus gastos a cada previsão de crise, criaremos crises de fato, com mais desemprego e mais recessão.

A solução para crises é reservas e poupança, poupança previamente acumulada. O correto é poupar e fazer reservas públicas e privadas, nos anos de vacas gordas para não ter de despedir pessoas nem reduzir gastos nos anos de vacas magras, conselho milenar. Poupar e fazer caixa no meio da crise é dar um tiro no pé. Demitir funcionários contratados a dedo, talentos do presente e do futuro, é suicídio. Se todos constituíssem reservas, inclusive o governo, ninguém precisaria ficar apavorado, e manteríamos o padrão de vida, sem cortar despesas. Se a crise for maior que as reservas, aí não terá jeito, a não ser apertar o cinto, sem esquecer aquela memorável lição: na hora de reduzir custos, os seres humanos vêm em último lugar.

Artigo Publicado na Revista Veja, edição 1726, ano 34, nº45, em 14 de Novembro de 2001.

por falar no nosso amigo

Essa é irresistível.  Será que vão me tirar do ar?

o dia 2 de Janeiro de 2011, um senhor idoso se aproxima do Palácio da Alvorada e, depois de atravessar a Praça dos Três Poderes, fala com um segurança que montava guarda:

“Por favor, eu gostaria de entrar e me entrevistar com o Presidente Lula.”

O soldado olhou para o homem e disse:

“Senhor, o Sr. Lula não é mais presidente e não mora mais aqui desde ontem.”

O homem disse:

“Está bem”, e se foi.

No dia seguinte, o mesmo homem idoso se aproximou do Palácio da Alvorada e falou com o mesmo segurança:

“Por favor, eu gostaria de entrar e me entrevistar com o Presidente Lula.”

O soldado novamente disse:

“Senhor, como lhe falei ontem, o Sr. Lula não é mais presidente nem mora aqui desde anteontem.” O homem agradeceu e novamente se foi.

Dia 4 de janeiro ele voltou, aproximou-se do Palácio Alvorada e falou com o mesmo guarda:

“Por favor, eu gostaria de entrar e me entrevistar com o Presidente Lula.”

O soldado, compreensivelmente irritado, olhou para o homem e disse:

“Senhor, este é o terceiro dia seguido que o Senhor vem aqui e pede para falar com o Sr. Lula. Eu já lhe disse que ele não é mais o presidente, nem mora mais aqui. O Senhor não entendeu?”

O homem olhou para o soldado e disse:

“Sim, eu compreendi perfeitamente, mas eu ADORO ouvir isso!”

O soldado, em posição de sentido, prestou uma vigorosa continência e disse:

“Até amanhã, Senhor!!!”

alguém?

isso se chama... culhões

alzheimer

Recebi esse texto do meu pai, que recebeu de um amigo… uma daquelas correntes intermináveis.  Mas, diferente de 99,99% deste tipo de email, esse eu achei sensacional.  Muito bom, muito bom mesmo.

Vale a pena gastar 05 minutos para ler.

Alzheimer

A cada 1 minuto de tristeza perdemos a oportunidade de sermos felizes por 60 segundos.

Sobre o Alzheimer

Roberto Goldkorn é psicólogo e escritor

Meu pai está com Alzheimer. Logo ele, que durante toda vida se dizia ‘o Infalível’. Logo ele, que um dia, ao tentar me ensinar matemática, disse que as minhas orelhas eram tão grandes que batiam no teto. Logo ele que repetiu, ao longo desses 54 anos de convivência, o nome do músculo do pescoço que aprendeu quando tinha treze anos e que nunca mais esqueceu: esternocleidomastóideo.

O diagnóstico médico ainda não é conclusivo, mas, para mim, basta saber que ele esquece o meu nome, mal anda, toma líquidos de canudinho, não consegue terminar uma frase, nem controla mais suas funções fisiológicas, e tem os famosos delírios paranóicos comuns nas demências tipo Alzheimer.

Aliás, fico até mais tranqüilo diante do ‘eu não sei ao certo’ dos médicos; prefiro isso ao ‘estou absolutamente certo de que…..’, frase que me dá arrepios.

E o que fazer… para evitarmos essas drogas?

Como?

Lendo muito, escrevendo, buscando a clareza das idéias, criando novos circuitos neurais que venham a substituir os afetados pela idade e pela vida ‘bandida’.

Meu conselho: é para vocês não serem infalíveis como o meu pobre pai; não cheguem ao topo, nunca, pois dali só há um caminho: descer. Inventem novos desafios, façam palavras cruzadas, forcem a memória, não só com drogas (não nego a sua eficácia, principalmente as nootrópicas), mas correndo atrás dos vazios e lapsos.

Eu não sossego enquanto não lembro do nome de algum velho conhecido, ou de uma localidade onde estive há trinta anos.. Leiam e se empenhem em entender o que está escrito, e aprendam outra língua, mesmo aos sessenta anos.

Coloquem a palavra FELICIDADE no topo da sua lista de prioridades: 7 de cada 10 doentes nunca ligaram para essas ‘bobagens’ e viveram vidas medíocres e infelizes – muitos nem mesmo tinham consciência disso.

Mantenha-se interessado no mundo, nas pessoas, no futuro. Invente novas receitas, experimente (não gosta de ir para a cozinha? Hum… Preocupante). Lute, lute sempre, por uma causa, por um ideal, pela felicidade. Parodiando Maiakovski, que disse ‘melhor morrer de vodca do que de tédio’, eu digo: melhor morrer lutando o bom combate do que ter a personalidade roubada pelo Alzheimer.

Dicas para escapar do Alzheimer:

Uma descoberta dentro da Neurociência vem revelar que o cérebro mantém a capacidade extraordinária de crescer e mudar o padrão de suas conexões.

Os autores desta descoberta, Lawrence Katz e Manning Rubin (2000), revelam que NEURÓBICA, a ‘aeróbica dos neurônios’, é uma nova forma de exercício cerebral projetada para manter o cérebro ágil e saudável, criando novos e diferentes padrões de atividades dos neurônios em seu cérebro. Cerca de 80% do nosso dia-a-dia é ocupado por rotinas que, apesar de terem a vantagem de reduzir o esforço intelectual, escondem um efeito perverso; limitam o cérebro.

Para contrariar essa tendência, é necessário praticar exercícios ‘cerebrais’ que fazem as pessoas pensarem somente no que estão fazendo, concentrando-se na tarefa. O desafio da NEURÓBICA é fazer tudo aquilo que contraria as rotinas, obrigando o cérebro a um trabalho adicional. Tente fazer um teste:

– use o relógio de pulso no braço direito;

– escove os dentes com a mão contrária da de costume;

– ande pela casa de trás para frente; (vi na China o pessoal treinando isso num parque);

– vista-se de olhos fechados;

– estimule o paladar, coma coisas diferentes; (conheço tanta gente que só quer comer a mesma coisa)

– veja fotos de cabeça para baixo;

– veja as horas num espelho;

– faça um novo caminho para ir ao trabalho.

A proposta é mudar o comportamento rotineiro!

Tente, faça alguma coisa diferente com seu outro lado e estimule o seu cérebro. Vale a pena tentar!

Que tal começar a praticar agora, trocando o mouse de lado?

Que tal começar agora enviando esta mensagem, usando o mouse com a mão esquerda?

FAÇA ESTE TESTE E PASSE ADIANTE PARA SEUS (SUAS) AMIGOS (AS).

‘Critique menos, trabalhe mais. E, não se esqueça nunca de agradecer!’

Sucesso para você!!!

Obs.Esta mensagem foi enviada por mim, com a mão esquerda.

– faça um novo caminho para ir ao trabalho.

A proposta é mudar o comportamento rotineiro!

Tente, faça alguma coisa diferente com seu outro lado e estimule o seu cérebro. Vale a pena tentar!

Que tal começar a praticar agora, trocando o mouse de lado?

Que tal começar agora enviando esta mensagem, usando o mouse com a mão esquerda?

FAÇA ESTE TESTE E PASSE ADIANTE PARA SEUS (SUAS) AMIGOS (AS).

‘Critique menos, trabalhe mais. E, não se esqueça nunca de agradecer!’

Sucesso para você!!!

Obs.Esta mensagem foi enviada por mim, com a mão esquerda.

e haja celular…

Eu só fico pensando.  Se devemos ter mais de 5% da população na faixa dos miseráveis (esse número é um chute, não faço idéia.. mas menos não é), como eles têm celular?

Ok, ok.. eles não têm.  Diversas pessoas tem mais do que um aparelho… então, como diabos uma entidade divulga tal informação?

segundo o MMOnline.

O Brasil fechou o mês de agosto com 189,4 milhões de acessos de telefonia móvel, o que dá uma densidade de 97,96% (acessos por 100 habitantes). Segundo os dados informados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), de janeiro a agosto deste ano, foram adicionados 15,4 milhões de acessos à base de assinantes.

Do total de 189,4 milhões de acessos móveis no Brasil, 82,20% (155,7 milhões) são pré-pagos. Nos últimos 12 meses, os estados que mais apresentaram expansão da base foram o Piauí que, com teledensidade de 71,15%, cresceu 33,39%; o Maranhão (teledensidade de 53,59%), com 30,33% de aumento; e o Tocantins (teledensidade de 91,71%), que apresentou expansão de 25,82%. Por região, o maior crescimento no último ano é do Norte, com 20,07%; Nordeste, 19,04%; Sul, com 12,37%; Sudeste, com 11,99%; e Centro-Oeste, com 11%.

O market share de celular segue inalterado e a Vivo permanece na liderança, com 57,2 milhões de acessos (30,23% de participação); seguida pela Claro, com 48,1 milhões (25,43% de market share); TIM, com 45,9 milhões (24,25%); Oi, com 37,3 milhões (19,74%); CTBC, com 576 mil (0,30%); Sercomtel, com 76 mil (0,04% de market share); e Unicel, com 20 mil assinantes e 0,01% de participação. A tecnologia mais usada é o GSM, com 167,1 milhões de acessos. E os terminais de dados (modems e cartões PCMCIA) totalizavam, em agosto, 5,5 milhões de unidades, com 2,94% do total.

precisa comentar?

Ainda existe boa publicidade.

Tomás