por que é mais fácil contratar do que cancelar? eu sei

No banco, fui contratar um serviço.

-Imagina! O senhor nem precisa ir à agência, não. Pode ser por telefone mesmo, poderia ser pela internet também. Na verdade o senhor nem precisa confirmar todos esses dados cadastrais que eu pedi anteriormente. Basta seu nome e CPF. A senha o senhor já digitou no início do atendimento.

– Nossa, que maravilha! – penso eu.

Tempos depois, o serviço já não me era mais necessário. Nova ligação e, após esperar horas (óbvio), recebo a notícia.

– O senhor terá que comparecer à sua agência com todos os seus documentos, mais cópia do requerimento, mais isso, mais aquilo, mais o outro, mais a primeira prova que o senhor fez na escola, quando tinha 08 anos de idade.

– Como é que é?

Por que diabos que, para contratar, não precisei de nada disso, fiz pelo telefone, pela internet e, agora, para cancelar preciso ter todo esse trabalho?

Absurdo? Irreal?

Mas é exatamente assim que as empresas ajem, claro. Por que facilitar sua vida para você fazê-las perder dinheiro?

Quando será que as empresas vão parar de nos ver como uma cifra $ e, de fato, nos ver como pessoas? Mas, espera um pouco… Eu ia falar que as pessoas quando bem tratadas trazem mais lucros, que manter um cliente é 2x mais lucrativo do que conquistar um novo (na verdade, trazer um novo é 2x mais caro do que manter um já existente), mas se você se colocar no lugar do empresário, as coisas são de fato diferentes.

Quando se está comentando, escrevendo, consultando sobre esse assunto, é muito fácil falar o que fazer, mas … e quando temos que provar resultados dia após dia? E quando é o nosso pescoço que está lá?  Quando os acionistas, ou o dono da empresa está ansioso para ganhar mais e… as vendas caem?

O que o consultor fala nessa hora? Se acalme, você precisa dar ferramentas para que as pessoas cancelem sua assinatura do serviço XYZ com a maior facilidade. Elas nem vão precisar pensar duas vezes, em um piscar de olhos o serviço estará cancelado… você precisa pensar no consumidor, em 05 anos você será recompensado (você não, o seu sucessor ou o sucessor do seu sucessor) porque você terá perdido o emprego faz tempo.

Então precisamos ponderar… você que, como eu, está com raiva por alguma situação parecida com essa, pense no cara que pode perder o emprego por permitir essa facilidade.

_tomás

matamos, comemos e… morremos

que estamos destruindo o planeta todos nós sabemos.  que estamos acabando com todas suas reservas naturais, seus animais, vegetação, minerais, também sabemos.

agora que além de matarem os golfinhos (o que é um tremendo absurdo) enchem sua carne de mercúrio -por uma série de razões- e a vendem como alimento (no japão) e as pessoas começam a morrer por consumirem essa carne … disso eu não sabia.

aonde estamos chegando?

watch?v=k62kc07m1Dc

que vai mudar, vai…

Tem gente que é a favor, tem gente que é contra, eu honestamente não sei, não formei 100% de opinião (e olha que sou pai), mas confesso que vejo com muito bons olhos as possibilidades, mas tenho algumas restrições mas, enfim, o fato é:  que vai mudar -aliás, há alguns anos muda e muito a educação e o futuro das crianças, isso vai…

Tomás

água mole em pedra dura

TWITTWER ABRE AS PORTAS PARA PROPAGANDA

Criado em 2006, só agora o Twitter lança a tão aguardada plataforma para suporte de publicidade. A informação foi publicada nesta terça-feira no blog do co-fundador da empresa, Biz Stone.

Batizada de “Promoted Tweets”, a inovação permitirá às empresas o envio de anúncios por tweets. Inicialmente, apenas 10% dos usuários receberão textos comerciais.

Este é o primeiro passo do microblog para tornar o serviço rentável, mas a novidade já é vista com maus olhos pelos usuários pelo fato de ser semelhante ao envio de spams.

A empresa avisa que as mensagens pagas terão uma indicação de “promoted”, no topo de algumas buscas feitas no serviço. Entre os primeiros anunciantes estão Best Buy, Red Bull, Sony, Starbucks e Virgin America.

O projeto de publicidade no Twitter será executado em diversas etapas. O próximo passo só será dado quando a empresa tiver um melhor entendimento da repercussão do Promoted Tweets.
Futuramente, a exibição de imagens publicitárias entre os textos publicados pelos usuários será implantada.

Ainda não há certeza sobre a atenção que os internautas dedicarão à esses anúncios. O Twitter pretende medir se as mensagens publicitárias despertam interesse de seus usuários. E, caso o serviço não agrade, não será mais oferecido – segundo Stone.

As inovações propostas pelo microblog serão expostas pelo COO do Twitter, Dick Costolo, na conferência AdAge Digital, em Nova York – nesta terça. Costolo se juntará ao CEO da empresa, Evan Williams, no dia seguinte, para explicar a nova estratégia em um evento para desenvolvedores do Twitter.

Microsoft foi a primeira

Embora a plataforma tenha sido lançada como uma novidade, essa não é a primeira vez que uma ação de publicidade foi feita no microblog. A Microsoft foi a primeira empresa a investir em publicidade no Twitter. Em março do ano passo, a marca foi divulgada por uma caixinha retangular posicionada na coluna da direita do perfil do usuário. A diferença dessa ação para a nova investida do microblog é a criação de uma plataforma para a publicidade dentro do site.

Murdoch vai parar o Google? Será?

O magnata da comunicação Rupert Murdoch deu nesta semana início a mais um capítulo na briga contra mecanismos de buscas e a publicação de conteúdo gratuito na internet. Em defesa de que o material disponível no mundo online seja pago, o dono da News Corp desafiou o Google e outros players do mundo virtual, a quem acusou de roubar o jornalismo de meios tradicionais: “Eu vou fazer o Google parar de pegar nossas notícias de graça… existe uma lei de direitos autorais e eles reconhecem isso”. A declaração de Murdoch foi dada em um evento do Clube Nacional de Imprensa da Universidade George Washington. Na ocasião, repleta de jornalistas, estudantes e profissionais de mídia, o empresário disse que a indústria do jornal teve de se levantar por si mesma e cobrar por conteúdo, usando a lei de copyright para defender seu jornalismo de ser usado sem permissão. Na contramão das críticas, o poderoso chefão da mídia elogiou o iPad, tablet recentemente lançado pela Apple e o classificou como um possível salvador da indústria do papel, em queda sistemática mundo afora. De acordo com o jornal The Guardian, Murdoch disse que os motores de busca tinham encontrado um “rio de ouro”, através da agregação de conteúdo, mas que os dias de notícia livre chegarão ao fim. “Eles usam o conteúdo de graça. Eles têm esse modelo de negócio muito inteligente”, disse. Em junho, os títulos britânicos de Murdoch, o Times e o Sunday Times vão se juntar ao Wall Street Journal e cobrar pela leitura de conteúdo. No entanto, alguns críticos dizem que os consumidores já estão acostumados a acessar conteúdos online de graça e não vão pagar por assinaturas em grande número, pelo menos suficiente para formar um modelo de negócio viável para o jornalismo de qualidade. Murdoch questionou este medo, dizendo que os consumidores poderiam ser forçados a mudar seus hábitos. “Quando eles não tiverem mais para onde ir eles vão começar a pagar, se for razoável. Ninguém vai pedir um monte de dinheiro”, disse ele. O chefe da NewsCorp também atacou o jornal The New York Times dizendo que seus planos de conteúdo pago deveriam ser mais restritivos. Os defensores dos sites de jornais gratuitos freqüentemente acusam Murdoch de ser um tecnofóbico, mas o magnata da mídia australiano se disse feliz em abraçar o iPad, lançado no último sábado. Durante a entrevista, com o jornalista Marvin Kalb, ele pegou um aparelho para demonstrar como navegar no site do jornal. Murdoch disse que o iPad poderia ser o salvador do jornalismo, embora o formato eletrônico não imprima. “Eu vislumbrei o futuro no último final de semana com o iPad. É uma coisa maravilhosa”, disse. “Se você tivesse menos jornais e mais destes … pode muito bem ser a salvação da indústria dos jornais.” Redação Adnews, com portal Terra

humm .. por que será?

Kassab apoia Globo e veta futebol antes da novela

O projeto de lei nº 564/06 que limitaria o horário de realização dos jogos de competições esportivas até às 23h15 na cidade de São Paulo foi vetado pelo prefeito Gilberto Kassab. A decisão foi oficializada na última sexta-feira no Diário Oficial. O veto do prefeito favorece a vontade da TV Globo, que chegou a ir à Câmara Municipal para pressionar os vereadores a não aprovarem o projeto. Se a lei fosse aprovada, a emissora, detentora dos direitos das transmissões de futebol, teria que mexer na grade e antecipar os jogos, iniciados geralmente às 21h50, em São Paulo. A Procuradoria Geral do Município alegou que o veto se motiva pelo fato de a “matéria relativa ao desporto ser de competência legislativa da União, Estados e Distrito Federal, cabendo ao Município apenas suplementar essas normas na hipótese de configuração de interesse local específico que necessita ser regulamentada, o que não ocorre nesse caso”. Além disso, a Procuradoria Geral justifica que “os inconvenientes advindos do horário do término de eventos esportivos não diferem daqueles verificados em outros tipos de eventos, não se justificando a restrição de horário a uma única programação” para concluir que “não parece razoável” a restrição de horário nos eventos esportivos. O prefeito coloca outro aspecto como motivo para o veto: a cidade de São Paulo poderia perder a chance de sediar eventos de porte nacional ou até internacional que terminem depois desse horário. À época da pressão da Globo sobre os vereadores da Câmara, o diretor executivo da Globo Esportes, Marcelo de Campos Pinto, argumentou que “a plasticidade dos estádios cheios nos interessam porque representa o estádio infinito, dá credibilidade à TV”. Pois os jogos realizados às 21h45 durante a semana registram em média público de 23.787 pagantes, enquanto a dos jogos às 21horas, 17.911 pessoas. O presidente da FPF, Marco Polo del Nero, que havia ameaçado levar os jogos da capital para o interior, declarou que os clubes paulistas podem ser impedidos pela Conmebol de participar da Taça Libertadores a partir de 2011, caso desrespeitem as regras de transmissão de TV. Confira abaixo o texto do veto na íntegra: “RAZÕES DE VETO Projeto de Lei nº 564/06 Ofício ATL nº 52, de 1º de abril de 2010 Ref. Ofício SGP 23 n° 00669/2010 Senhor Presidente, Por meio do ofício em referência, Vossa Excelência encaminhou a esta Chefia do Executivo cópia autêntica do Projeto de Lei nº 564/06, de autoria dos Vereadores Agnaldo Timóteo e Goulart, aprovado por essa Egrégia Câmara na sessão de 10 de março do corrente ano, que dispõe sobre o limite de horário para o término de competições esportivas profissionais realizadas nos estádios localizados no Município de São Paulo. A mensagem estabelece o horário limite de 23h15min (vinte e três horas e quinze minutos) para o encerramento desses eventos quando realizados nos estádios com capacidade de lotação superior a quinze mil pessoas. Prevê, ainda, o procedimento de fiscalização do cumprimento dessa exigência, determinando, no caso de infração, a elaboração de um relatório por agente da Subprefeitura competente, instruído com a documentação que especifica, a ser submetido à apreciação de uma Comissão Especial de Avaliação (CEA), composta por um membro da federação da respectiva modalidade esportiva, um membro da sociedade civil, um membro do sindicato da categoria dos atletas, além de um servidor público lotado em SEME, podendo a referida comissão arquivar o expediente ou então determinar a apuração dos fatos, ouvindo o responsável pela organização do evento, bem como aplicar, se for o caso, multa de R$ 100.000,00 (cem mil reais), dobrada na reincidência. Sem embargo dos meritórios propósitos que certamente devem ter inspirado seus autores, a medida não reúne condições de ser convertida em lei, impondo-se seu veto total, com fulcro no § 1º do artigo 42 da Lei Orgânica do Município de São Paulo, nos termos das razões a seguir aduzidas. A propositura trata de matéria relacionada ao desporto, sobre a qual a Constituição Federal no artigo 24, inciso IX, reserva competência legislativa concorrente à União, aos Estados-membros e ao Distrito Federal, cabendo aos Municípios, nesse tema, apenas suplementar as eventuais legislações existentes. No uso dessa competência, a União editou a Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998 (Lei Pelé), que institui as normas gerais sobre desporto. Em seu artigo 4º, § 2º, com a redação conferida pela Lei nº 10.672, de 15 de maio de 2003, deixa patente que “a organização desportiva do País, fundada na liberdade de associação, integra o patrimônio cultural brasileiro e é considerada de elevado interesse social”, cabendo ao Ministério Público da União pronta atuação na hipótese de violação dessas normas. Além disso, no citado artigo 4º, ao criar o Sistema Brasileiro do Desporto – SBD, a lei federal o estrutura em diversos órgãos, dentre os quais o Conselho Nacional do Esporte, com competências estabelecidas no artigo 11, sendo órgão colegiado de normatização, Deliberação e assessoramento, diretamente vinculado ao Ministro de Estado do Esporte. Também integram o SBD os sistemas de desporto dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, organizados de forma autônoma e em regime de colaboração, integrados por vínculos de natureza técnica específicos de cada modalidade desportiva. No que se refere à regulamentação do horário de realização de competições profissionais – objeto do projeto em questão – a norma geral inserta no § 7º do artigo 20, incluído na referida Lei Pelé pela Lei nº 10.672, de 2003, estabelece que “as entidades nacionais de administração de desporto serão responsáveis pela organização dos calendários anuais de eventos oficiais das respectivas modalidades”, em consonância, pois, com a diretriz constitucional sobre o caráter nacional estratégico de certos elementos relacionados à prática esportiva (CF, art. 217). Ressalta patente a predominância nacional e regional na composição, formação e operatividade do Sistema Brasileiro de Desporto. Aos Municípios, que compõem a estrutura desse sistema, a Constituição Federal atribui uma atuação suplementar, que há de ser harmoniosa e colaborativa, nos termos do artigo 25, parágrafo único, da Lei Pelé. A competência do Município para suplementar a legislação federal ou estadual se evidencia diante de circunstâncias peculiares que caracterizem a predominância do interesse local. Nesse contexto, compete ao Município de São Paulo a fixação dos horários e condições de funcionamento dos estabelecimentos comerciais, industriais, de serviços e similares situados no território municipal, bem como a fiscalização das atividades neles desenvolvidas, nos termos do artigo 160, incisos II e III, da Lei Maior local. No tocante aos espetáculos esportivos realizados nos estádios, caberia ao Município impor a restrição do horário, desde que caracterizada situação peculiar local que exigisse tal regulamentação, o que não ocorre no caso em pauta. De fato, ainda que se pudesse desenvolver o raciocínio voltado ao entendimento de que o Município detém interesse local específico e, portanto, competência, para fixar o horário de realização de competições esportivas que envolvam a mobilização de grande número de pessoas e possam interferir na comodidade e segurança dos cidadãos, os inconvenientes advindos do horário de término de eventos esportivos em nada diferem daqueles verificados em outros tipos de eventos, tais como atividades religiosas e shows artísticos, não se justificando conferir-lhes tratamento diferenciado. Portanto, a limitação do horário a um único tipo de evento não parece razoável. Tampouco configura medida capaz de “contribuir para a preservação do descanso do trabalhador paulistano, a proteção do patrimônio público e privado, a paz nas ruas e, especialmente, a segurança aos desportistas e dos espectadores”, como consta da justificativa apresentada por seus proponentes. Isto porque os possíveis transtornos decorrentes do fluxo e da grande concentração de pessoas, inerentes a esses eventos, podem ocorrer em qualquer horário que se dê o seu encerramento. Por outro lado, considerando que os efeitos da norma proposta não se restringem às competições locais, alcançado campeonatos nacionais, regionais e internacionais, não é difícil concluir que, não querendo se submeter à imposição legal paulistana, os organizadores poderão levar esses eventos para outras cidades, produzindo efeitos indesejáveis à Cidade, inclusive sob o aspecto econômico. Cumpre assinalar, ainda, que a mensagem aprovada cria uma Comissão Especial de Avaliação – CEA, composta por membros de entidades privadas (federação da modalidade esportiva e sindicato da categoria dos atletas), membro da sociedade civil e membro do serviço público municipal, atribuindo-lhe competência para instaurar, instruir e julgar o procedimento de fiscalização do cumprimento da exigência legal instituída, bem como imbuída de poderes para arquivar o expediente ou aplicar a multa estabelecida. Atribui-lhe, portanto, o poder de polícia que é inerente ao Poder Público. A propósito, releva anotar que o poder de polícia encontra fundamento na supremacia geral que a Administração Pública exerce sobre todas as pessoas, bens e atividades, revelada nos mandamentos constitucionais e nas normas de ordem pública, que estabelecem condições e impõem restrições aos direitos individuais em favor da coletividade, incumbindo ao Poder Público o seu policiamento administrativo e, por conseguinte, a imposição coativa das medidas impostas pela lei e a aplicação da sanção correspondente ao seu descumprimento. Logo, a transferência desse poder a particular, nos moldes pretendidos pela propositura, é medida que se mostra contrária à ordem constitucional vigente. Ademais, a ação fiscalizatória exercida pelo Poder Público não pode ficar condicionada ao fornecimento de “súmula ou registro da partida”, como previsto no texto, nem à indicação de representantes das entidades sindicais e esportivas, de natureza privada, as quais, em razão da autonomia que lhes é assegurada pela Constituição Federal (artigo 8º, inciso I, e artigo 217), não estariam obrigadas a integrar referida Comissão. Não se pode olvidar também, que, na condição de particulares interessadas, podem atuar de modo a frustrar o cumprimento da lei. Por fim, a atribuição do encargo de “agente autuador” a servidor público lotado na Subprefeitura (§ 1º do artigo 1º), configura ingerência nas atividades e atribuições de órgãos municipais, com evidente interferência em assunto de competência privativa das autoridades municipais dessa área, violando, assim, o princípio da independência e harmonia dos poderes, consagrado no artigo 2º da Constituição Federal, no artigo 5º da Constituição do Estado de São Paulo, bem como no artigo 6º da Lei Orgânica do Município de São Paulo. Nessas condições, evidenciadas as razões de inconstitucionalidade, ilegalidade e contrariedade ao interesse público que me conduzem a vetar integralmente a mensagem aprovada, devolvo o assunto ao reexame dessa Egrégia Câmara, renovando a Vossa Excelência meus protestos de apreço e consideração. GILBERTO KASSAB, Prefeito Ao Excelentíssimo Senhor ANTONIO CARLOS RODRIGUES Digníssimo Presidente da Câmara Municipal de São Paulo” Com informações do Uol Esportes.

qualidade de cinema? por favor, não na minha tv

Agora é moda (na verdade já faz algm tempo) todas as operadoras de tv a cabo dizerem que oferecem qualidade de cinema na sua televisão.

Pergunto: alguém já, de fato, reparou na qualidade de exibição de um cinema?  Reparem bem.  As imagens (qualquer imagem) é formada por pixels (que são pontos).  Quanto mais pixels, mais bem definida é a imagem, pois terão mais pontinhos para delinear os contornos.  Obviamente, você só consegue enxergar os pixels quando chega muito perto da imagem,  Por exemplo, quando vemos uma foto aumentada muitas vezes, conseguimos perceber os pixels da imagem.

Enfim, voltando ao assunto.  Como você vê a imagem do cinema de longe, ela não precisa ter uma definição muito boa, você não vai conseguir reparar direito.  Experimente chegar lá perto.  Você verá, as vezes, pixels do tamanho de bolas de tenis.

Sabendo disso, pergunto:  quem diabos vai querer uma definição de cinema na sua casa?

Tomás