despeça seus clientes… pelo menos alguns deles

Não importa o que vocie faça, sempre haverão clientes reclamando.
– A castanha da primeira classe não estava quente
– Não acredito que a promoção do drinque gratuíto era só ontem, hoje não tem?

Ou você senta e chora, se acostuma, ou manda os insatisfeitos embora.  Assim você terá mais tempo para se dedicar aos bons clientes, que lhe pagarão com indicações e fidelidade.

Tomás

GoogleBuzz

O Google anunciou nesta terça-feira (9) o lançamento do Buzz, um novo serviço que integra redes sociais dentro do Gmail.

De acordo com o site plantão info, o novo produto também vai funcionar em celulares , direto pelos endereços google.com e buzz.google.com e em aplicativos para Android e iPhone, além de uma atualização do Google Maps para celulares que vai integrar o recurso Latitude, de localização, ao Buzz (esse Google Maps estará disponível hoje para celulares com sistemas Symbian e Android).

Segundo Todd Jackson,  gerente de produto do Google,   o Buzz vai aparecer como uma nova pasta dentro do Gmail, logo abaixo da caixa de entrada.

O produto foi criado com cinco pilares:

1) seguidores automáticos (com conteúdo das pessoas que você mais tem contato via e-mail)
2) experiência rápida de compartilhamento (conteúdo de fotos, vídeos, links, páginas do Flickr e do Picasa e até mesmo Twitter)
3) divisão entre conteúdo público e privado criado pelo usuário
4) integração com a caixa de entrada (notificações de comentários e novos posts)5) “só coisa boa”, nas palavras de Jackson, já que o Google mostra e sugere conteúdo que pode te interessar.

Entre outros recursos, o Buzz no celular (pelo menos para Android) aceitará novos posts via voz basta falar e o Google Buzz publica sua informação na rede de contatos.

O serviço será liberado aos poucos a partir de hoje e durante os próximos dias para usuários em todo o mundo.

Informações Plantão Info

US$3M por 30 segundos

Essa foi a média paga pelas empresas que quiseram aparecer no final do Super Bowl (campeonato de futebol americano). Eu juro que adoraria saber o retorno que esses caras tiveram (ou terão).  Me chame de moderninho ou antiquado … mas duvido que isso valha o investimento.

106 milhões de expectadores tinham suas tvs ligadas, ok.  Mas certamente a taxa de disperção é absurdamente alta, além de todos os motivos que já citei em diversos outros posts.

Tomás

sábio conselho

antarctica x kaiser

Já publiquei aqui sobre esses casos.  Quando uma empresa faz uma propaganda mais agressiva em cima de sua concorrente.  Nos EUA isso é muito natural, funciona muito bem.  Aqui no Brasil, ao contrário, os consumidores geralmente ficam do lado da “vítima”.  Mas uma coisa muito importante para essa vítima, é deixar o assunto pra lá pois, quanto mais mexer, mais publicidade irá gerar em torno do assunto e mais e mais a marca agressora será beneficiada.

No mmonline de hoje vi essa matéria.  Vamos ver no que vai dar.

A Ambev estreou na semana passada um comercial para Antarctica que pode render um novo capítulo na polêmica iniciada em novembro pelo “Desafio Kaiser”. O filme “Troca”, criado pela AlmapBBDO, é protagonizado pelo cantor e ator Sergio Loroza e pelo humorista cego Geraldo Magela.

O enredo apresenta Loroza anunciando “o primeiro teste cego de verdade do Brasil” e garantindo que, para isso, “nada melhor que um cego”. Outra alusão clara à concorrente é uma embalagem de cerveja com o rótulo vermelho e um xis branco no lugar da marca. Com a Antarctica em mãos, Loroza e Magela realizam seu teste com bom humor. Enquanto um bebedor garante que “nunca viu uma cerveja tão boa”, o Ceguinho emenda: “Nem eu!”. A Femsa, dona da Kaiser, informou que não vai se manifestar sobre o assunto.

A peça da Antarctica entra em veiculação meses após a Ambev ir à justiça para retirar do ar o filme “Desafio Kaiser”, desenvolvido pela Fischer+Fala, que colocou a marca na lista dos comerciais mais lembrados de novembro, segundo a pesquisa Lembrança de Marcas na Propaganda de TV, realizada pelo Datafolha e publicada com exclusividade por Meio & Mensagem.

O filme apresenta os resultados de uma pesquisa realizada pelo Datafolha e auditada pela Ernst & Young que apontou empate técnico entre Kaiser, Skol, Brahma, Antarctica e Nova Schin. Na ocasião, a Ambev conseguiu uma liminar que impedia a sequência da veiculação, mas poucos dias depois a Femsa conquistou o direito de exibição.

A informação é da coluna Em Pauta, publicada na edição 1395 de Meio & Mensagem, que circula com data de 8 de Fevereiro de 2010.

Tomás

unimed na camisa do muricy

do mundo do marketing

A Seguros Unimed inovou no patrocínio ao Palmeiras. O clube alviverde paulista fechou com a seguradora um modelo diferente das tradicionais estampas no uniforme dos jogadores, e passa a exibir a marca na camisa do técnico. No último domingo, Muricy Ramalho já vestia seu novo uniforme. O acordo foi fechado pelo valor de R$ 1,3 milhão e a marca poderá ser vista no carrinho da maca, nos centros de treinamento, além do painel de patrocinadores em entrevistas coletivas.

A Seguros Unimed planeja ações de relacionamento por meio de camisas oficiais e ingressos para o camarote Palestra Premium e Espaço Visa nos jogos em que o Palmeiras for mandante. Para oferecer experiência com a marca, também está previsto um jogo com convidados no estádio Palestra Itália, em São Paulo.

quer anunciar? ela veste sua camisa

que vai dar chabu … vai.

Que vai dar chabu vai, todo mundo sabe que essa história do recall da Toyota vai arranhar sua imagem, é óbvio. Porém, nós, como consumidores, pelo menos os mais atualizados sabem que problemas acontecem. Comigo, com você, com a minha empresa e com a sua. O que importa é o que fazer diante desses problemas, como minimizar o impacto deles sobre eu (cliente).

A Toyota merece respeito por sua atitude. Anunciou que vai parar as vendas (EUA) de alguns modelos -envolvidos nos problemas dos pedais- e que vai, inclusive, parar a produção de novos carros para poder se concentrar em como resolver tais problemas, ou seja, ela está falando. Sim, nós erramos. Mas estamos fazendo todo o possível para minimizar seu prejuízo.

E, no final do dia, isso vale muito.

#Tomás

caçadores e fazendeiros

10.000 anos atrás a civilização se dividiu. O cultivo foi inventado e a forma como muitas pessoas gastava seu tempo foi mudada para sempre.

Obviamente, fazendeiros eram diferentes de caçadores. Fazendeiros passavam seu tempo se preocupando com os detalhes, com o tempo, fazendo escolhas sobre sementes e crescimento, trabalhando duro para evitar más colheitas. Caçadores, por outro lado, tinham longos períodos de distração interrompidos por instantes de uma agitação frenética.

Não é maluquice imaginar que algumas pessoas eram (e são) boas em caçar, outras em cultivar. Na verdade, existe um abismo entre os que são bons em uma coisa e os que são bons na outra, não é certo ou errado, são qualidades diferentes.

Existem muitos materiais disponíveis sobre tentativas de usarem medicamentos em crianças “caçadoras” para que elas fiquem sentadas em sala de aula aprendendo a cultivar, isso não faz muito sentido, certo? Adoro esse: https://achismo.wordpress.com/2009/09/29/ted-2006/

Uma criança que tem vocação para caça é facilmente distraída porque perceber o menor movimento na moita é o que precisam para começar a caçar. Esperar, mirar e atirar. Essa criança é capaz de largar tudo e focar como um laser -por um tempo- se isso for urgente. A criança fazendeira, por outro lado, é muito boa em destrinchar os mínimos detalhes de lições de casa, tanto a primeira como a última, sempre com a mesma atenção. Mas não peçam a eles que troquem de posição.

Os marqueteiros confundem os dois grupos. Você está vendendo produtos para fazendeiros e esperam que caçadores comprem? Como você espera que eles descubram seu produto, ou ainda, acreditem que vá ajudá-los em alguma coisa? A mulher que lê todos os artigos da Vogue e imediatamente vai ao site comprar os últimos modelos é completamente diferente da diretora de tecnologia que passa 06 messes analisando todas as soluções possíveis de ERPs para comprar um produto mais simples que foi atualizado pela última vez há dois anos. Ela é uma fazendeira.

De novo, não é questão de certo ou errado, ambos os grupos são bons, ambos valem a pena mas, um é diferente do outro. E atrair, interessar, despertar o desejo e a ação em um grupo é completamente diferente de fazê-lo no outro. Não sei se é uma questão genética ou apenas de personalidade mas, tudo que sabemos é que isso explica muitos comportamentos diferentes (inclusive meus).

– Fazendeiros preferem reuniões produtivas, caçadores, tentar e ver no que vai dar.
– Caçadores querem comissões altas, fixo baixo, fazendeiros, o contrário.
– Feiras de negócios são para caçadores mas, constantemente, os estandes estão cheios de fazendeiros.
– Quando você prepara um caçador para um trabalho de mesa, prepare-se para o fracasso, o vendedor que não deu um bom gerente.
– Caçadores estão linkados com o Google, fazendeiros, com o Facebook.

#Tomás

tbwa pega carona nas campanhas da almap para havaianas

Do MMOnline.

“Pelo visto nao sao só as Havaianas que ganharam o mundo. Suas campanhas também caíram no gosto da Europa. Nao deveriam ser as Havaianas a assinar? Peça criada pela TBWA/Paris para ‘Exclusive Escapes’, é uma quase reproduçao das belas peças da Almap para os famosos chinelos do tipo japonês”.

#Tomás