apresentação no powerpoint… aaaarghhhhh

Estava vendo algumas, diversas na verdade, apresentações em power-point e programas similares.

Um fato me impressionou. Nenhuma. Repito: Nenhuma. Nenhuma apresentação era minimamente satisfatória.  E elas foram feitas por pessas competentes.  Ei, estou falando do pessoal de marketing, se você é advogado, engenheiro, é normal não saber fazer uma apresentação em powerpoint ou keynote decente, aliás, é capaz que você sequer saiba o que é keynote.

Enfim, tendo isso em vista, resolvi colocar as minhas impressões sobre apresentações em ppt.

1. Como eu tudo em nossas vidas.  Pense no objetivo que o leva a fazer tal coisa.  Por que diabos você está fazendo esta apresentação?

2. Se está tudo escrito na tela, por que você está lá? Você tem alguma utilidade no processo, ou você acha que as pessoas simplesmente não sabem ler e precisam que alguém leiam por elas?  Apresentações em powerpoint não são relatórios e, por isso, não precisam ter tudo o que você vai ler, na verdade jamais coloque mais do que 6 palavras em um slide, sim, 6 palavras por slide.

3. O cérebro das pessoas tem dois lados, direito e esquerdo.  Direito é o emocional.  Esquerdo é o racional.  O powerpoint (programa de computador) só atinge um deles – não precisa ser o Einstein para saber qual, né?  Quem deve atingir o outro é você.

4. Durante uma apresentação você está vendendo alguma coisa.  Então venda.  Se todos concordassem com você era só enviar uma página com um super resumo do seu ponto de vista e, pronto.

5. Transições demoradas, sons, efeitos super-hiper high-techs, esqueça.  Não use.

6. Quer falar sobre a pobreza no extremo sul de São Paulo?  Ao invés de encher o slide com texto e dados da Unicef, Prefeitura ou sei lá mais qual ONG responsável, que tal usar 04 ou 05 fotos, não expressaria bem melhor seu ponto de vista?

7. Jamais envie seus slides.  Se um participante quiser para enviar ao chefe diga. Os slides irão se eu for.  Venda mais uma palestra.

Quer algo mais detalhado?  Me contrate!

_tco

o problema do notável

Todo mundo já sabe. O consumidor não tem tempo.  A velha indústria televisa passa por uma grande revisão.  Hoje em dia o antigo “marketing de interrupção” passa por uma séria revisão e tende a acabar brevemente.  Nem mesmo o “marketing de permissão” [como eu detesto esses rótulos mas…] tem tanto sucesso pois a permissão não é assim tão fácil de conseguir.

A nova velha fórmula. Faça algo notável, espalhe para os “early adopters” [aqueles que usam um produto antes de todo mundo] e estes espalharam as boas novas a todo mundo que, em pouquíssimo tempo começaram a usar e você [dono do produto], ficará rico.

Tudo muito bem, tudo muito bom mas realmente … não é bem assim.

O problema em fazer algo notável hoje em dia é que … não se nota o notável por tanto tempo.

O que iso significa? Uma vaca roxa só irá chamar atenção por um certo período de tempo [e um período cada vez menor de tempo]. É preciso que você continue pintando e reinventando a sua vaca para que ela continue sendo notável, caso contrário … se dará mau.

Quem disse isso.  Eu?? Não.  O mercado!

_tco