peugeot racer

Nas andanças pela net, vejo uma ação online da Peugeot.  Muito bacana e bem feitinha, a marca te convida a guiar seu lançamento por uma pista urbana e promete, ao ganhador, um carro novinho de presente.

A ação é muito boa e trará resultados fantásticos, não tenho dúvidas quanto a isso.  A minha dúvida é: o que os gerentes/diretores da marca pretendem com essa ação?  É normal vermos os diretores corporativos querendo que o mundo pare por causa de sua ação e todas as pessoas, inclusive as que compraram carro há menos de 02 meses troquem pelo novo lançamento (ok, é um exagero, mas eu sou assim).

Quero muito saber como isso se desdobrará, o que acontecerá com isso.  Enquanto isso, joguem que o joguinho é bom.

_tco

agora está explicado: google x yahoo

Acabo de ouvir uma palestra de um cara chamado Seth Godin, um dos mais brilhantes profissionais de planejamento da atualidade.  Talvez por ser tão brilhante, sua idéia seja tão simples.

Por que o Google fez sucesso enquanto o Yahoo fracassou cada vez mais? (peço desculpas pela precariedade da foto, mas foi tirada de uma de suas apresentações).

As duas imagens mostram a home page do Yahoo e Goolge em 1999 (no mesmo dia).  Segundo ele, você não conseguiria distinguir os resultados da busca que o yahoo ou o google deram, ou seja, após dar o enter na busca, um site era muito parecido com o outro.

O problema era antes.  A home page.  E aí que vem a definição brilhante do Seth.

Os nerds, geeks, early adopters e pessoas como eu (ele), simplesmente éramos bombardeados por perguntas de amigos nossos sobre a internet.  Pra que serve isso? Pra que serve aquilo? Como eu faço isso?  Então, nós passamos a mandar todos os nossos amigos para o Google, ao invés do Yahoo, já que no Yahoo eles não fariam a mínima idéia do que têm que fazer e no Google, oras, era muito simples… eles não me encheriam a paciência mais.

É mole?

_tco


não era só para as crianças?

Estava eu, ontem, feliz e contente no supermercado (tudo bem, é um exagero, eu sei).
Estava eu, ontem, de saco cheio no supermercado com minha mulher e filho.  Fui andar com meu filho quando ele viu o iogurte do solzinho.  Ele quis pegar mas… pensando duas vezes disse. Não não, eu prefiro o do Bob Esponja.  Ok, ok, uma situação relativamente normal no dia-a-dia, principalmente para quem tem crianças.

Mas a minha surpresa, na verdade, está no fato de que, ao lado dele, tinha um casal de senhoras (com uns 40 e pouco anos) que queriam comprar hamburguer, ou sei lá o que…. quando uma delas pegou a primeira embalagem, a outra de pronto gritou…. não pega essa, olha essa como é mais bonita, vamos comprar esse.  Não resisti e tive que perguntar.  Por que a sra escolheu esse e não o outro?  Ela me olhou como se eu fosse o maior ignorante da face da terra e me disse.
– Porque a embalagem desse é muito mais bonita, oras.

Pô, o truque da embalagem não deveria influenciar apenas crianças? Ok, tudo bem, a embalagem faz parte do nosso trabalho, ela deve encantar o cliente e blá blá blá, mas ela deveria, na melhor das hipóteses, servir para colocar a marca X no páreo das pretendentes à serem compradas e não colocá-la isolada na frente, sem que as outras pudessem mostrar sua “marca, qualidade, preço, etc”.

Ou seja, se eu tenho 10 produtos, escolho os 05 com a embalagem mais bonita e depois comparo-os pra escolher um.  E não, de 10 eu escolho o mais bonito e compro ele, independente do preço, quantidade, marca, etc.

Vivendo e aprendendo…

.